"Mas eu sou assim. Tudo na minha vida eu construí com luta. Eu conheço gente por aí que sonha a vida inteira com as coisas e fica tudo no sonho. O Inacabado vai ficar aí. Depois que eu morrer, a cidade ainda vai poder desfrutar dele." Otavinho Arantes

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Època de Ouro

1959
O Teatro Inacabado começa a ser construído a partir de projeto dos arquitetos Walter Guerra e Lindolfo Nunes da Rocha.
1963
Sem uma inauguração ofical, o teatro abre as portas â população goianiese. A primera peca encenada foi O pagador de promessas, de Dias Gomes. A partir de então, companhias de teatro de São Paulo e do Rio de Janeiro se apresentam no espaço.
1966
Fernanda Montenegro, Sergio Brito e Fernando Torres apresentam o espetaculo O Homem do Princípio ao Fim, de Millor Fernandes.
1967
O Teatro Inacabado e incendiado por causa de imperícia de um funcionário que trocava o telhado. 
1969
O Inacabado e reaberto depois de passar por uma reforma e recebe a peca O Avarento, de Moliere, encenada pelo pai do teatro brasiliero, Procópio Ferreira.
1971
Apresentação da peca Henrique IV, de Pirandello, com Ziembinski na direção e no papel principal.
1973
Fernanda Montenegro volta a se apresentar no Inacabado com espetaculo Computa, Computador, Computa, de Millôr Fernandes, dirigido por Fernando Torres.
1974
Paschoal Carlos Magno grava suas mãos e dá autografo em cimento do teatro.
1977
Aracy Balabanian, Walmor Chagas, Lucelia Santos e Cláudio Marzo apresentam o espetáculo Brecht Segundo Brecht.
1978
Rosamaria Murtinho apresenta a peca A Infidelidade ao Alcance de Todos, de Lauro César Muniz.
1991
Morre Otavinho Arantes e a partir de então começa um processo de abandono do espaço.
1993
O Teatro Inacabado é ocupado por meninos em situação de risco social. Novo Incêndio. Expulsão do diretor do teatro, marcos Fayadi.
1994
O Inacabado e tombado pelo Conselho do Patrimônio Histórico e do Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia.
1996
Membros de Federação de Teatro de Goiás entram com representação junto a Ministerio Publico pedindo a reintegração de posse do teatro e fazem vigília 24 horas na porta do prédio para impedir a entrada dos invasores.
1997 
A Justica reintegra a posse do teatro à Agremiação Goiana de Teatro (AGT).
1998
É institúida a Fundação Otavinho Arantes e começa um processo de retomada do teatro.
2001
A curadoria de fundações da comarca de Goiânia destitui o conselho de curadores e nomia Hamilton José Amorim interventor administrador da Fundação Otavinho Arantes. Comecam a ser desenvolvidos projetos sociais com crianças e adolescentes.
2002
O Teatro Inacabado integra a mostra de teatro Goiânia In Cena, promovido pela Prefeitura de Goiânia.
2005
Começa uma nova reforma do teatro com recursos obtidos junto ao governo do Estado, cuja previsão de conclusão era para o ano seguinte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário